Número total de visualizações de página

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Alguém sabe do João?, de Mª Teresa Maia Gonzalez

 CADERNO DE LEITURA de ALGUÉM SABE DO JOÃO?



 BIOGRAFIA DA AUTORA
Maria Teresa Maia Gonzalez nasceu em Coimbra em 1958, Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, Variante de Estudos Franceses e Ingleses, pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, foi professora de Língua Portuguesa de 1982 a 1997, no ensino oficial e particular. Esta experiência profissional permitiu-lhe conhecer muito bem os jovens e adolescentes para quem escreve.
Tem vários livros editados, nomeadamente, Gaspar e Mariana, A Fonte dos segredos, O Guarda da praia, O Incendiário misterioso, A Lua de Joana editado já em vários países e línguas. É responsável por várias colecções como Profissão Adolescente e Um Palco na escola.

ASPECTOS PARATEXTUAIS
Quando olhei para capa do livro, o primeiro pensamento que tive sobre o mesmo foi que seria sobre um rapaz chamado João que devia ter fugido com a namorada, e a partir daí pensei justificar a interrogação do título ALGUÉM SABE DO JOÃO?
Ao longo da leitura fui percebendo que afinal a ilustração da capa remete para o João e a amiga que ele encontrou no hospital, a única com quem ele se sentia bem e desabafava. Uma verdadeira amiga!

OPINIÃO SOBRE O LIVRO
Este livro permite-nos reflectir sobre os nossos comportamentos, a formação do nosso carácter, a forma como impetuosamente reagimos a pequenas provocações, o que consideramos “brincadeiras” e que pode ter consequências gravíssimas. Esta história fez-me pensar que não devemos deixar-nos influenciar por ninguém, que devemos escolher bem os colegas e as amizades e que temos de aprender a assumir as consequências dos nossos actos, ainda que eles não sejam intencionais.
Estas são as lições de moral que o João, personagem principal da história, me ensinou.
O João, durante uma discussão entre colegas, provocada por insinuações parvas sobre homossexualidade, perdeu o controlo e empurrou o seu melhor amigo, Guilherme Pontes, que caiu desamparado, batendo com a cabeça na mesa grande da biblioteca, onde se encontravam. Desta queda resultou a morte do Guilherme.
Apesar de ter sido considerado um acidente, e os adultos assim o testemunharam, o João foi o único do grupo de jovens que se sentiu culpado e, assumindo essa culpa e responsabilidade pela morte do amigo, desapareceu do colégio e foi apresentar-se na polícia.
Entregue aos cuidados dos pais, o João vive, então uma depressão profunda e tem de ser internado. Deixa de falar e, só após muitas sessões de terapia e com o apoio de uma menina que conheceu no hospital, recupera da situação traumática que vivera. O João afasta-se dos ex-colegas e percebe finalmente o que é importante preservar: o respeito pelos outros, o respeito pela vida humana.
 JEAN BERNARD MENDY,  8ºB

4 comentários:

  1. Muito bem Jean! No ano passado li este livro e acho que está muito bem feito, com vocabulário correcto.

    ResponderEliminar
  2. Um livro com uma mensagem importante para os jovens. É muito gratificante ver que a compreendeu. Não li a obra, mas o seu resumo é muito elucidativo. Bom trabalho, Jean.

    ResponderEliminar
  3. Muito bem, Parabéns!! Este livro dá-nos uma lição de vida!!

    ResponderEliminar